14 de abril de 2011

identidade do tempo

seremos sempre, de uma forma ou de outra, uma desilusão para os outros, pois ficamos à margem das expectativas que esses criam de nós próprios... nunca seremos os que as outras pessoas desejavam que fôssemos.
não...
somos nós próprios, com uma identidade própria e somos o que decidimos ser.
uma pessoa pode passar a vida a culpar o mundo, mas os seus sucessos ou as suas derrotas são da sua inteira responsabilidade... pode até tentar parar o tempo mas estará a desperdiçar a sua energia, pois este não pára e de uma forma cruel , indolente, apático segue o seu rumo sem se importar com o que fazemos ou não.
ele não recua, ele não nos abandona, ele permanece ali, indiferente sem pensar duas vezes, sem olhar para o lado...

e nós...
assistimos impávidos como se estivessemos num circo, onde todas as palhaçadas, malabarismos e acrobacias têm um único objectivo... sorrir para a vida por o termos a nosso lado.

9 comentários:

M. disse...

Dos outros pouco me importo, nesses casos. Pior é quando nos desiludimos...

S. disse...

Sim, seremos sempre uma desilusão para os outros quando não correspondemos às expectativas ou imagem que têm de nós...
Mas pergunto-me até que ponto isso não é também um pouco culpa nossa? Por vezes construimos uma imagem de nós para os outros, não deixamos à partida que vejam o que realmente somos, porque deixar que nos vejam verdadeiramente, torna-nos vulneráveis, frágeis perante outros. E ao tentar evitar a nossa própria desilusão, desiludimos os outros...
É um ciclo que se propaga no tempo, e ou aceitamos que faz parte da vida, ou assumimos a nossa fragilidade humana e mostramo-nos ao mundo tal como somos...

anatereisa disse...

De facto o texto tem o seu "Q" de verdade. Contudo, existe milhentos factores que influenciam as nossas decisões .

Talvez seja essa a verdadeira "missão" do ser humano.

MartaP. disse...

por isso, nao devemos criar grandes expectativas das pessoas que conhecemos... para depois nao apanharmos nenhuma desilusão.

MartaP. disse...

dizem para vermos o bom na pessoa, ate nos provarem o contrario...
eu penso no inverso. vou pensar sempre mal.. ate que me mostrem que valem a pena.

B* disse...

"O percurso do Herói é definitivamente individual"

disse eu, um dia.

E continuo a acreditar que a nossa essência é única e individual.

Este teu post, relembra-me um que escrevi há quase um ano atrás: http://cantinhovirtualsecret.blogspot.com/2010/05/porta.html

Beijo.
Bá*

Imagina que... disse...

A desilusão é um sentimento difícil. Mas também é muito ambíguo... Fiquei fixada na forma como descreves o tempo. Às vezes fico a pensar se o aproveito como devia. Mas quando penso no que devia gastar o meu tempo, não me ocorre nada de especial além do que faço. Enfim... fica a incerteza!**

hug * disse...

M.
concordo contigo, é muito mau quando isso acontece

S.
é inevitável essa imagem que criamos de nós próprios, face a uma sociedade que nos impinge a globalização esquecendo que cada individuo possui a sua propria identidade... logo somos obrigados a criar uma pelicula que nos proteja daquilo que vai para além da sua propria identidade... inevitável.
só quem consegue observar, e ver o que esta para alem dos olhos é que consegue ver o verdadeiro EU das pessoas :)

anatereisa
talvez ou talvez não ;)

martap
fazes isso com toda a gente??
não sei se sera uma boa táctica... pois corres o risco de dar por fim uma coisa que nem sequer permitiste começar **

B*
um percurso individual com particulas do que nos rodeia ;)

imagina que...
a incerteza é uma das coisas boas que a vida tem :)
viveremos apenas conscientes que respeitamos os nossos valores...
o tempo não vai parar **

pink poison disse...

Eu gosto de ser assim como sou, mau feitio, desbocada mas sim, por vezes, penso como teria sido uma ou outra situação se eu não fosse um furacão. Beijos